domingo, 21 de abril de 2013

"A morte não é a maior perda da vida. A maior perda da vida é o que morre dentro de nós enquanto vivemos."
Picasso

sexta-feira, 19 de abril de 2013

inextinguível... Napalm

como mostrar o que fere os sentimentos?
...


se tempo é tudo que se move
quando tudo mais
está parado
se torna vizível o vivido
na montagem das imagens mortas
do fogo que não se apaga

terça-feira, 16 de abril de 2013

coisa sem nome

sem rumo
sem trilha
sem ar
sem nada 
sem mar

tanta coisa triturada naquele dedilhar...

pra quê tanto? sem nada pra tocar?

volume e quantidade podem saturar sem crise, nem ao menos, tempo de fruição: se a fonte é unica de quê adianta tanta coisa em nenhum lugar?

segunda-feira, 8 de abril de 2013

As palavras saem quase sem querer,
Rezam por nós dois.
Tome conta do que vai dizer.
Elas estão dentro dos meus olhos
Da minha boca, dos meus ombros
Se quiser ouvir
É fácil perceber
Não me acerte
Não me cerque
Me dê absolvição
Faça luz onde há involução
Escolha os versos para ser meu bem e não ser meu mal
Reabilite o meu coração
Tentei
Rasguei sua alma e pus no fogo
Não assoprei
Não relutei
Os buracos que eu cavei
Não quis rever
Mas o amargo delas resvalou em mim
Não me deu direito de viver em paz
Estou aqui para te pedir perdão
Não me acerte
Não me cerque
Me dê absolvição
Faça luz onde há involução
Escolha os versos para ser meu bem e não ser meu mal
Reabilite o meu coração
As palavras fogem
Se você deixar
O impacto é grande demais
Cidades inteiras nascem a partir daí
Violentam, enlouquecem ou me fazem dormir
Adoecem, curam ou me dão limites
Vá com carinho no que vai dizer
Não me acerte
Não me cerque
Me dê absolvição
Faça luz onde há involução
Escolha os versos para ser meu bem e não ser meu mal
Reabilite o meu coração
(Vanessa Da Mata)