terça-feira, 16 de abril de 2013

coisa sem nome

sem rumo
sem trilha
sem ar
sem nada 
sem mar

tanta coisa triturada naquele dedilhar...

pra quê tanto? sem nada pra tocar?

volume e quantidade podem saturar sem crise, nem ao menos, tempo de fruição: se a fonte é unica de quê adianta tanta coisa em nenhum lugar?